quinta-feira, 5 de agosto de 2010

CHUVA DE LIVROS NO SARAU DA COOPERIFA

.
.
chuva de livros 2009
A COOPERIFA VAI FAZER CHOVER LIVROS NA PERIFERIA DE SÃO PAULO
.
Pelo terceiro ano consecutivo a Cooperifa vai realizar o projeto "Chuva de livros" que tem como objetivo incentivar o hábito da leitura na periferia paulistana. Neste dia, qualquer pessoa que comparecer ao sarau da Cooperifa vai ganhar um livro novo de presente.
Este ano serão 400 livros, entre romance, conto, poesia, prosa, e vai de Drummond a Jorge Amado, Clássicos, infantis, etc. além de escritores e poetas da quebrada. Ninguém vai ficar de fora.
A ideia do projeto é que a pessoas tenham seu próprio livro, façam o quiserem com ele, mas que, de preferência, leiam. A qualquer hora. Em qualquer lugar.
.
CHUVA DE LIVROS NO SARAU DA COOPERIFA
.
.
Dia 25 de agosto (quarta-feira) 20hs30
.
Bar do Zé Batidão
Rua Bartolomeu dos Santos, 797 Chácara Santana
Periferia-SP
Inf. 83585965

6 comentários:

  1. INESQUECIVEL! LIVROS, LIVROS!!!
    SEM SANCHE SERJÃO!!!
    AI OS CARA NUM GUENTA...

    PARABÉNS TITIO!!!

    ResponderExcluir
  2. A cooperifa a todo tempo me faz sentir saudades do período que não vivi...dá vontade de voltar no tempo para devorar, todas as ações, todos os momentos. Nesse tempo que passou não volto mais, mas não desperdiço, nada do que tenho hoje, é valioso, é gratificante, é conhecimento.
    É isso, olhar para frente e continuar...
    Só podemos dar sentido a nossas vidas, dedicando-nos aos nossos semelhantes e a nossa comunidade e nos empenhando na criação de alguma coisa e sentido. "ouvi em algum lugar" e a consciência não deixa esquecer.
    Nossa munição é a força e a partilha...quem não tem como contribuir...não adianta, não consegue destruir...
    Uh Cooperifa...
    Viviane

    ResponderExcluir
  3. oi Sergio! Gostaria de doar alguns livros. Voce está aceitando? Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Muito se tem a falar sobre o que muitos chamam de movimento,
    Porem discutimos de forma madura Hip Hop é Cultura,
    Não só entretenimento, para quem pensa assim é só lamentos,
    A parada é recheada de sentimento, esta posto o enfrentamento,
    E essa discussão é natural, não vamos abraçar as ideias do capital,
    Que invade e fragmenta, destrói e não lamenta,
    Querem transformar o que é politico em Pop,
    Querem tratar os guerreiros como lock's,
    Passou a da hora de darmos um choque,
    Escrevemos leis e teses de mestrado,
    Mobilizamos e conscientizamos oprimidos e proletarios,
    Mudados e ressiguinificamos o cenario,
    Porem estamos cercados de adversarios,
    O adverso que tambem usa o verso,
    Que corre no contra senso,
    Que da união torce pelo aveso,
    E muitas vezes vem do mesmo berço,
    Não entende da luta o seu contexto,
    Vou pro arrebento, o barato não é ilusão,
    Defendo o direito a cultura e boa educação,
    Previlegiando a criança e o adolescente do fundão,
    Que do Estado é alvo histórico de omissão, avante irmãos,
    Hip Hop e seus elementos, juntos a todo momento,
    Vamos para p parlamento, acessar as leis de fomento,
    Forçar a equidade, cobrar a quem deve a responsabilidade,
    Hip Hop na cidade, é lei e o prefeito não libera,
    Cometem crimes a vera e a midia não revela,
    O ministerio publico não interpela, o barato é a novela,
    O ultimo que sair apaga a vela, não é balela tão tirando a favela,
    Impedindo o acesso a uma cultura que é dela,
    Não podemos ficar na espera, pois ainda vivemos as mazelas,
    E o Hip Hop é quem minimiza essas brechas,
    Das meninas via conscientização fecha as pernas,
    Que a midia e o miami beach agem para deixar abertas,
    De forma avida precocemente ficam gravidas,
    Isto não esta certo e é horrendo,
    Na quebrada da policia continuo correndo e os meninos morrendo,
    Estão violando na direta nossos direitos, impondo o silencio,
    perpetuando a censura, e a matança cresce de forma nua e crua,
    Mobilização esta é a questão, estamos sempre correndo atras do tostão,
    Enquanto isso a classe dominante (governantes) só discutem os milhão,
    Pregando uma zuada alienação, o meio é a televisão,
    O fim, cemitério, prisão ou submissão
    É lei e deve ser implementada, de cultural não queremos só a virada,
    Queremos a Semana de Cultura Hip Hop regulamentada,
    Com a devida rubríca orçamentaria, pois a lei é legitima mas não é legitimada,
    Por estes que pensam estar lidando com uma manada,
    De coletivos e posse desorganizadas, desarticuladas,
    Analfabetizadas em pocilgas que chamam de escolas nas quebradas,
    Chega de palhaçada, a prefeitura no M.P. foi representada,
    Pelo Fórum do Hip Hop Municipal de São Paulo processada.
    mh2revolucionario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Luciana (cooperiferica canadense)6 de agosto de 2010 08:23

    ahhh mentira que vou perder a chuva de livros!
    mas tudo bem ja ja to chegando...
    saudades do meu povo!
    Bjs da Lu ;*

    ResponderExcluir
  6. Sérgio, meu nome é Abraão, sou atualmente um quase-bibliotecário-formado que, se pans, levará alguns livros pra vocês na área de direitos humanos e correlatos.

    Gostaria que você e os demais frequentadores desse espaço conhecessem uma iniciativa da qual faço parte: a Rede Brasil de Bibliotecas Comunitárias - http://rbbconexoes.ning.com

    Queremos que os responsáveis por esses 'espaços culturais periféricos' possam articular-se e conhecer-se em âmbito nacional. Aos poucos, nosso caminho está sendo trilhado. Espero que, assim como a ilustríssima Cooperifa, ele possa dar frutos pr'aqueles que mais os merecem.

    Abraços fraternos!

    ResponderExcluir