segunda-feira, 29 de agosto de 2011

domingo, 28 de agosto de 2011

PALMEIRAS 97 ANOS DE GLÓRIAS!

Gol de letra - Sergio Vaz
.
Outro dia fui assisitr o último jogo do Palmeiras no estádio Palestra Itália, que vai ser demolido depois de 91 anos de história. Estádio de futebol todo mundo sabe, independente do time que torça, parece um coração batendo, ou, em muitos casos, apanhando. É um lugar para sorrir e chorar.
Sou palmeirense, e o Parque Antártica tem muito a ver com a minha história. Durante muito tempo sonhei em jogar ali. E sonho de criança todo mundo sabe, é uma partida que não termina nunca.
Futebol é e sempre foi a minha paixão, assim como os livros, como a poesia. Quem gosta sabe, cada partida é um capítulo diferente, os personagens parecem que sempre são os mesmos, mas não são, e ninguém, quase nunca, sabe o final.
Lembro até hoje a primeira vez que fui assistir a um jogo no estádio. Acostumado com a terra vermelha impressa nos campinhos de terra da minha rua, a grama verde quase me cegou. Nunca tinha visto tanta gente em minha vida, aliás, meu mundo era tão pequeno que não sabia que existiam outras pessoas em outros bairros.
Pra falar bem a verdade, de tão pequeno meu mundo cabia dentro de uma bola de gude, e achava que o planeta se chamava Terra porque todas as ruas não tinham asfalto.
Nesse dia todos gritavam ao mesmo tempo, mas não era difícil ouvir a torcida do meu coraçãozinho abafando o barulho da multidão, e parecia que ele queria sair pela boca. Aliás, se ele saísse pela boca, eu matava no peito fazia duas embaixadinhas e chutava pra dentro do campo, e corria pra galera. Recuando a bola ao passado, até parece que fiz isso mesmo, pois ele nunca mais saiu de lá.
Houve um tempo, em que o dinheiro driblava mais que o Edu bala, os estádios cabiam dentro do ouvido, e para quem não sabe, o radinho de pilha que hoje joga no "E. C. Veterano da memória", foi os olhos de muita gente. E só mesmo José silvério e Fiori Giglioti eram capazes de fazer a gente assisitr um espetáculo sem mesmo estar presente. E só mesmo quem ama é capaz de enxergar o que não vê.
Falando em amor, alguns jogadores como Ademir da Guia, Jorge Mendonça e Evair eram poetas que escreviam poemas com os pés, e depois de cada jogo, independente do resultado, a poesia estava ali, impressa, cada verso, cada estrofe, em nossas retinas tão maltratada pela aspereza da vida.
E sem querer ofender o Deus de ninguém, esses anjos encardidos já fizeram cada milagre...
É por isso que muita gente confunde esse esporte com religião. Por um gol salvador nos acréscimos, até um ateu é capaz de ajoelhar.
Amo futebol porque lembra a minha infância: o zagueiro entra de carrinho e o centroavante faz gol de bicicleta. Só quem não sabe pedalar não consegue entender.
O Brasil não é desigual porque as pessoas gostam deste esporte, ele é injusto porque a minoria não respeita o grito (não importa o time que você torça) que vem da arquibancada e isto sim é jogo violento. É falta, é penalti, mas o bandeira nunca vê e o juíz nunca marca.
Se queremos virar o jogo temos que entender: para quem não sabe ler, o futebol é letra. E se quem sabe, ensina quem não sabe, é craque, aí é gol de letra.
Obrigado Palmeiras!

1ª MOSTRA CINEMA NA LAJE


SEGUNDA-FEIRA É DIA DE CINEMA NA LAJE


Cinema na laje é um espaço criado pela COOPERIFA e que acontece quinzenalmente às segundas-feiras para exibições de documentários e filmes alternativos de todas as partes do Brasil e do mundo, exibidos gratuitamente para a comunidade.

As exibições ficam por conta da Paco´s Vídeo.

O cinema Paradiso da periferia também conta com um lanterninha vestido a caráter para dar um charme especial para o projeto.

Nesse ano em que o Sarau da Cooperifa completa 10 anos de atividades culturais na periferia de São Paulo. O cinema é convocado às comemorações e celebra com a comunidade em uma mostra especial.

Nos últimos 15 anos uma enorme produção de audiovisual popular tem sido realizada nas cidades do Brasil, fruto de um processo que as tecnologias digitais vem possibilitando desde a década de 80. Nas imagens retratos de um país que a história por muito tempo teimou em esconder. História essa que há séculos a mídia deturpa, com sua retórica engendrada para efetivar a eterna domesticação do povo.

Desde as cartas de Vaz Caminha até as manchetes do jornalismo global a mesma perspectiva tem se estabelecido como verdade padrão. E na contramão desde então os populares, os periféricos à margem de uma sociedade que desconhece sua cultura e seus valores, recriam a história e a retransmitem aos seus filhos e netos.

Ontem a história oral, hoje o audiovisual e a persistência da memória.

Essa Mostra em comemoração aos 10 anos de existência do Sarau da Cooperifa no projeto Cinema na Laje traz um pequeno panorama do que nesse período tem se construído como texto audiovisual, como discurso pelas camadas populares através do audiovisual, dentre os coletivos e diretores dedicados à pensar as questões da desigualdade social, da identidade cultural e da produção artistica.

Trabalhos que vão além da eficiência técnica e reinventam a linguagem e o direcionamento da narrativa. São 8 documentários e 4 ficções muito bem produzidas e com temáticas e aborgagens que vão te fazer reavaliar seus conceitos.

Sejam bem vindos à Primeira Mostra Cinema na Laje


Realização: COOPERIFA

Apoio Cultural: ITAÚ CULTURAL


curador Daniel FagundeS Videasta e Arte-Educador integrante do NCA (Núcleo de Comunicação Alternativa)


Sergio Vaz Cooperifa

MOSTRA CINEMA NA LAJE


De 8 de agosto a 5 de setembro às segundas-feiras 20h30 (confira a programação)


Laje do Bar do Zé Batidão

Rua Bartolomeu dos Santo, 797 Jd. Guarujá

(inf. 72074748)

Periferia- SP


Mostra Cinema Na Laje


Semana 4 (dia 29/08)


Tragicomédia Brasileira O incrível encontro


Sinopse: No aniversário de 500 anos do Brasil o CETE (Centro Experimental Teatro Escola) coordenado pelo ator e diretor Antônio Pedro, convoca diversas pessoas para uma experimentação teatral coletiva. Atores e não atores, de diversas formações e classes sociais promovem o grande encontro de suas vidas com a história do Brasil.


Produção: CETE e Propícia produções.

Direção: Júlio Calasso

Tipo: Doc

Formato: Vídeo DV

Ano: 2011

Origem: Brasil (RJ)

Fotografia: Júlio Calasso.

Duração: 60 min.


O Sequestro da Cultura Brasileira


Sinopse: Filme de ficção sobre a "alta cultura" versus a cultura das ruas. Trata-se de um assalto a um museu motivado, a princípio, pelo exclusivo interesse em lucrar com o sequestro de um quadro bem avaliado no mercado. As contradições da vida e da cultura.


Produção:

Direção: Bruno Rico, Bruna Callegari, Vitor Serra Bruno Rico.

Tipo: Ficção

Formato: Mini DV

Ano: 2005

Origem: Brasil (SP)

Fotografia: Bruna Callegari

Duração: 35 min.


------------------------------


Semana 5 (dia 05/09)


Cultura de Rua Nos tempos da São Bento


Sinopse: Rodado entre os anos de 2007 a 2010, Nos Tempos da São Bento é um documentário que busca a memória coletiva do hip-hop. O documentário busca resgatar a memória daqueles que fizeram a História do Hip-Hop, ocupando por vários anos o espaço do Metrô São Bento, no centro da cidade de São Paulo. Minuciosa, a estrutura discursiva nos leva ao conflito com o esquecimento; o ato social de se apagar fatos, pessoas e grupos da história. É justamente este conflito, apresentado através do exercício da narrativa, que se transforma em ação dramática, onde a personagem principal é a memória coletiva.


Produção:Direção: SUATITUDE.

Guilherme Botelho.

Tipo: Doc

Formato: Mini DV

Ano: 2010

Origem: Brasil (SP)

Fotografia: Cassimano

Duração: 90 min.


Linha de Ação


Sinopse: Primeiro episódio de uma série de crônicas sobre culturas urbanas e arte coletiva de resistência nas periferias do mundo. Uma ponte entre dois pontos de vista de artistas-cidadãos que criam em extremos opostos da cidade de São Paulo: Shirley Casa Verde, da Zona Norte (Fábrica de Gênios/Cinescadão) e Sérgio Vaz, da Zona Sul (Cooperifa).


Produção:

Direção: Cinescadão e Temporal Filmes. Flávio Galvão e Rica Saito.

Tipo: Doc

Formato: Mini DV

Ano: 2010

Origem: Brasil (SP)

Fotografia: Flávio Galvão, Rica Saito. Fernando Solidade e Negro JC

Duração: 6 min.



sexta-feira, 26 de agosto de 2011

6º ANIVERSÁRIO DO CLARIÔ




Clique no cartaz para ver a programação




HOJE É DIA DE PANELAFRO


BORA CHEGAR?

clique no cartaz para ampliar




SÁBADO TEM LANÇAMENTO DO LIVRO "LITERATURA, PÃO E POESIA' NO SARAU DOS MESQUITEIROS




PROGRAMAÇÃO COMPLETA:


17HS: Início das atividades com Mesa de Pintura pra molecada, Banca de Livros, Música, alegria e descontração.


17:30HS: NÓIS NA TELA - Apresentação do documentário “Povo Lindo, Povo Inteligente”, sobre o Sarau da Cooperifa. Produzido pela DGT filmes, com direção de Sérgio Gagliardi e Maurício Falcão, mostra a história do sarau que transformou a cena literária das periferias de São Paulo e que completa 10 anos em 2011. Duração: 50 minutos, COM DIREITO A PIPOCA GRÁTIS, DURANTE A EXIBIÇÃO.


18:30HS – SARAU – duas horas de atividade com muita música, dança, teatro, mesa de pintura, grafitte, banca de livros e PRINCIPALMENTE: microfone aberto pra poesia.


*ESPECIAL: Lançamento do livro “Literatura, Pão e Poesia”, do poeta Sérgio Vaz.


Só chegar!

clique no cartaz e veja a programação completa





1ª MOSTRA CINEMA NA LAJE É SUCESSO TOTAL




fotos: Mariana Collini


Povo lindo, povo inteligente,


quando digo que nós da periferia estamos vivendo a nossa "Primavera de Praga", culturalmente falando, as pessoas que não nos conhece acha que estou exagerando. Mas basta andar pelas quebradas e ver que está todo mundo fazendo alguma coisa na sua comunidade e falta tempo pra colar em tudo que acontece. Progresso e parabéns pra nóis.

Sabemos que tem muita coisa pra ser feita, mas estamos lutando.

Na Cooperifa, como todo mundo sabe, ou devia saber, está rolando a 1ª Mostra Cinema na Laje, que é a produção (ou uma pequena parte) cinematográfica da periferia, que tem curadoria do Daniel Fagundes e apoio cultural do ITAÚ CULTURAL, e que vai até dia 5 de setembro, sempre às segundas-feiras às 20h30 (ver programação).
Não sei quanto ao sucesso de crítica, mas o de público... As sessões tem sido lotadas!
Nesta segunda-feira por conta do frio e da garoa fizemos as exibições dentro do bar, e mais uma vez a comunidade e pessoas vindas de todos os lugares prestigiaram o nosso Cinema Paradiso.
Da hora que a imprensa também se fez presente, para mostrar o lado positivo da periferia, com uma cobertura nos mesmos moldes do Festival de Cannes, muito fhases e camêras, só faltou o tapete vermelho. Ano que vem vai ter. Promessa.


Cooperifa é isso: Luz, poesia e ação!

Segunda-feira tem mais. Bora?

Sergio Vaz
Poeta







Cuca (gentileza gera gentileza)





Lotado




Zé Batidão


quinta-feira, 25 de agosto de 2011

SÃO PAULO NÃO PARA DE FAZER FRIO...



A COOPERIFA NÃO PARA DE FAZER POESIA


Povo lindo, povo inteligente,

Frio em sampa, mas a Cooperifa continua a milhão. Ando sem tempo para o blog, porém é por uma boa causa. Mil corres.
Ontem naquele puta frio que só São Paulo tem, mantivemos a máquina da poesia em andamento.

É isso. Daqui a pouco mais novidades.

bjs.

sergio vaz



Vivi

Roberto Ferreira

Seu Zezinho

Marina e o papai

Aniversariante Ane do sarau da Ademar



quarta-feira, 24 de agosto de 2011

HOJE É DIA DE SARAU DA COOPERIFA




SARAU DA COOPERIFA

Hoje 20hs45

Bar do Zé batidão
Rua Bartolomeu dos Santos, 797 Jd. Guarujá
Periferia - SP



REVOLTA TOTAL!




Revolta total!


Em SP a hipocrisia é tanta, que as pessoas se dizem com medo de uma "Gang" de meninas q tem entre 10 e 12 anos e usam o palavrão como arma.

A Sociedade canalha quase teve orgasmo com a prisão delas.


Hoje soltaram o ex-banqueiro Salvatore Cacciola. Alguém se revoltou?


Bando de filhos da puta!


Sergio Vaz


sábado, 20 de agosto de 2011

1ª MOSTRA CINEMA NA LAJE


SEGUNDA-FEIRA É DIA DE CINEMA NA LAJE


*em caso de chuva os filmes serão exibidos dentro do bar







Cinema na laje é um espaço criado pela COOPERIFA e que acontece quinzenalmente às segundas-feiras para exibições de documentários e filmes alternativos de todas as partes do Brasil e do mundo, exibidos gratuitamente para a comunidade.
As exibições ficam por conta da Paco´s Vídeo.
O cinema Paradiso da periferia também conta com um lanterninha vestido a caráter para dar um charme especial para o projeto.
Nesse ano em que o Sarau da Cooperifa completa 10 anos de atividades culturais na periferia de São Paulo. O cinema é convocado às comemorações e celebra com a comunidade em uma mostra especial.
Nos últimos 15 anos uma enorme produção de audiovisual popular tem sido realizada nas cidades do Brasil, fruto de um processo que as tecnologias digitais vem possibilitando desde a década de 80. Nas imagens retratos de um país que a história por muito tempo teimou em esconder. História essa que há séculos a mídia deturpa, com sua retórica engendrada para efetivar a eterna domesticação do povo.
Desde as cartas de Vaz Caminha até as manchetes do jornalismo global a mesma perspectiva tem se estabelecido como verdade padrão. E na contramão desde então os populares, os periféricos à margem de uma sociedade que desconhece sua cultura e seus valores, recriam a história e a retransmitem aos seus filhos e netos. Ontem a história oral, hoje o audiovisual e a persistência da memória.
Essa Mostra em comemoração aos 10 anos de existência do Sarau da Cooperifa no projeto Cinema na Laje traz um pequeno panorama do que nesse período tem se construído como texto audiovisual, como discurso pelas camadas populares através do audiovisual, dentre os coletivos e diretores dedicados à pensar as questões da desigualdade social, da identidade cultural e da produção artistica.
Trabalhos que vão além da eficiência técnica e reinventam a linguagem e o direcionamento da narrativa. São 8 documentários e 4 ficções muito bem produzidas e com temáticas e aborgagens que vão te fazer reavaliar seus conceitos.

Sejam bem vindos à Primeira Mostra Cinema na Laje

Realização: COOPERIFA
Apoio Cultural: ITAÚ CULTURAL

curador
Daniel FagundeS
Videasta e Arte-Educador integrante do NCA
(Núcleo de Comunicação Alternativa)

Sergio Vaz
Cooperifa




MOSTRA CINEMA NA LAJE

De 8 de agosto a 5 de setembro

às segundas-feiras 20h30 (confira a programação)


Laje do Bar do Zé Batidão
Rua Bartolomeu dos Santo, 797 Jd. Guarujá (inf. 72074748)
Periferia- SP


Mostra Cinema Na Laje

Programação:





Semana 3 (dia 22/08)


Olhares extremos (Grajaú em cena)

Grajaú: Um Desenho de Cultura

Sinopse: Por que fazer um mapeamento dos ativistas culturais do Grajaú? Qual o intuito? Por que fazer um documentário sobre esse mapeamento? Como seria isso? Ninguém melhor que os próprios movimentos de cultura em questão pra responder essas perguntas, não?Artistas do distrito do Grajaú discutem como fazer um documentário e qual o potencial de sua arte no contexto em que vivem e trabalham.


Produção:Direção: NCA, Humbalada, Imargem, Morro da Macumba, Balaio Cultural e Instituto Pólis. Fernando Solidade, Daniel FagundeS, Diego FF. Soares e André Luiz Pereira.

Tipo: Doc
Formato: Mini DV
Ano: 2010
Origem: Brasil (SP)
Fotografia: NCA
Duração: 39 min.

Onde São Paulo Acaba

Sinopse: Futebol, rap, violência e drogas. Um dia na periferia sul de São Paulo.


Direção: Andréa Seligmann
Tipo: Ficção
Formato: 35mm
Ano Produção: 1995
Origem: Brasil (SP)
Cor / PB: cor

Duração: 12 min.

Grajaú, Onde São Paulo Começa

Sinopse: Articulado a partir da ideia de um "street movie", "Grajaú, onde São Paulo começa", conduz sua narrativa a partir dos percursos e inquietações de vários artistas que vivem neste carente e populoso bairro no extremo sul da cidade de São Paulo às margens do maior reservatório hídrico da cidade.

Fugindo dos estereótipos de violência e pobreza, o documentário busca construir a imagem deste imenso bairro paulistano através da arte e da geografia fugindo aos clichês convencionais associados à cidade.

Direção: João Claudio de Sena
Tipo: Doc
Formato: HD
Ano: 2011
Origem: Brasil (SP)
Fotografia: João Claudio de Sena
Duração: 25 min.



Semana 4 (dia 29/08)


Tragicomédia Brasileira O incrível encontro
Sinopse: No aniversário de 500 anos do Brasil o CETE (Centro Experimental Teatro Escola) coordenado pelo ator e diretor Antônio Pedro, convoca diversas pessoas para uma experimentação teatral coletiva. Atores e não atores, de diversas formações e classes sociais promovem o grande encontro de suas vidas com a história do Brasil.


Produção: CETE e Propícia produções. Direção: Júlio Calasso
Tipo: DocFormato: Vídeo DV
Ano: 2011
Origem: Brasil (RJ)
Fotografia: Júlio Calasso.
Duração: 60 min.

O Sequestro da Cultura Brasileira

Sinopse: Filme de ficção sobre a "alta cultura" versus a cultura das ruas. Trata-se de um assalto a um museu motivado, a princípio, pelo exclusivo interesse em lucrar com o sequestro de um quadro bem avaliado no mercado. As contradições da vida e da cultura.


Produção:Direção: Bruno Rico, Bruna Callegari, Vitor Serra Bruno Rico.
Tipo: Ficção
Formato: Mini DV
Ano: 2005
Origem: Brasil (SP)
Fotografia: Bruna Callegari
Duração: 35 min.


------------------------------

Semana 5 (dia 05/09)



Cultura de Rua Nos tempos da São Bento

Sinopse: Rodado entre os anos de 2007 a 2010, Nos Tempos da São Bento é um documentário que busca a memória coletiva do hip-hop. O documentário busca resgatar a memória daqueles que fizeram a História do Hip-Hop, ocupando por vários anos o espaço do Metrô São Bento, no centro da cidade de São Paulo. Minuciosa, a estrutura discursiva nos leva ao conflito com o esquecimento; o ato social de se apagar fatos, pessoas e grupos da história. É justamente este conflito, apresentado através do exercício da narrativa, que se transforma em ação dramática, onde a personagem principal é a memória coletiva.


Produção:Direção: SUATITUDE. Guilherme Botelho.
Tipo: Doc
Formato: Mini DV
Ano: 2010
Origem: Brasil (SP)
Fotografia: Cassimano
Duração: 90 min.

Linha de Ação


Sinopse: Primeiro episódio de uma série de crônicas sobre culturas urbanas e arte coletiva de resistência nas periferias do mundo. Uma ponte entre dois pontos de vista de artistas-cidadãos que criam em extremos opostos da cidade de São Paulo: Shirley Casa Verde, da Zona Norte (Fábrica de Gênios/Cinescadão) e Sérgio Vaz, da Zona Sul (Cooperifa).


Produção:Direção: Cinescadão e Temporal Filmes.
Flávio Galvão e Rica Saito.
Tipo: Doc
Formato: Mini DV
Ano: 2010
Origem: Brasil (SP)
Fotografia: Flávio Galvão, Rica Saito. Fernando Solidade e Negro JC
Duração: 6 min.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

ARTE URBANA PELO VOTO DISTRITAL



GOG NO JARDIM ÂNGELA


clique no cartaz para ampliar





DOMINGO É DIA DE SARAU DA ADEMAR!



SARAU DA ADEMAR
CONVIDA TODAS E TODOS!!!

A PARTIR DAS 17HS
LOCAL: BAR DO RUI
ENDEREÇO: RUA FELICIO CINTRA DO PRADO, 152 - ALTURA DO Nº 3670 DA AV. CUPECÊ

SARAU ESPECIAL COM TEMA FOLCLORE
LANÇAMENTO DO LIVRO (A) MASSA
POETA EMERSON ALCALDE


PARA ANIMAR AINDA MAIS ESSE DOMINDO
DEEJAY EDIMILSON
PALAVRA, PODER PARA O POVO!!!

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

QUER ENTENDER A CRISE QUE COMÇOU NA PERIFERIA DE LONDRES E SE ESPALHOU PELA INGLATERRA?




ASSISTA A VERSÃO DA PERIFERIA

Não deixe de ver!

http://www.youtube.com/watch?v=6Fgdpww5DpI&feature=youtu.be


Se você é da rua vai entender tudo



http://youtu.be/6Fgdpww5DpI

HOJE É DIA DE SARAU DA COOPERIFA



SARAU DA COOPERIFA

Hoje 20hs45

Lançamento do livro "Quem roubou quem?"
de Ana Paula Riso

Bar do Zé Batidão
Rua Bartolomeu dos santos, 797 Jd Guarujá
Periferia - SP


terça-feira, 16 de agosto de 2011

1ª MOSTRA CINEMA NA LAJE




SUCESSO TOTAL!


Povo lindo, povo inteligente,


ontem rolou a segunda semana da 1ª Mostra Cinema na laje realizada pela Cooperifa, em comemoração aos 10 anos de atividades poéticas na periferia de São Paulo.

Ontem ia passar os filmes "Fuleiro circo" e "Amanhã talvez", ia, por que no meio da Sessão faltou energia da Eletropaulo, que deselegância.

Mais se não fosse difícil, não seria periferia, não seria Cooperifa. Aliás, diga-se se de passagem, que belo trabalho de equipe foi feito pela nossa turma para que tudo saísse certo, independente da "Eletropau". Mó orgulho de fazer parte desta família.

De resto, só faltou o tapete vermelho ( ano que vem vai ter) pois apareceu gente de tudo quando é quebrada, de quanto é lugar, e de tudo quanto é país. A laje quase caiu, quase caiu mesmo!

Na moral, parecia uma estréia do festival em Cannes, só que na periferia.

Foi um sucesso de público e de crítica, é muita gente criticou a iniciativa. Rsrs.

Vai vendo a ironia do cinema, no centro estão fechando salas e na periferia abrindo novos espaços para exibições. E aí, a periferia está ou não está tomando conta do bagulho? Depois não digam que não avisei.

Estamos vivendo a nossa "Primavera de Praga" cultural.


Por uma periferia que nos une pelo amor, pela dor e pela cor.


Segunda-feira tem mais.


Sergio Vaz

Vira-lata da literatura




Cinema Paradiso da Cooperifa



A Laje


Eles fecham cinema no Centro a gente abre na periferia


Quem disse que o Povo não gosta de cinema?


As nossas crianças


Pipoca grátis pra não queimar o nosso filme


Psiuuuu


A magia do cinema



Cinema na laje: Simples e lindo



Lanterninha atento


Formação de público


A imprensa colou e se comportou




povo lindo, povo inteligente


Só a "Eletropau" deu mancada


Taí a comunidade


Loucura pelo cinema


sessão lotada