segunda-feira, 30 de maio de 2011

sexta-feira, 27 de maio de 2011

HOJE É DIA DE PANELAFRO

.
.


CLIQUE AQUI PARA VER A PROGRAMAÇÃO

.

SÁBADO É DIA DE SARAU PALMARINO

.
.

clique no cartaz para ver a programação

.

MESQUITEIROS EM FESTA!

.



clique no cartaz para ver a programação
.

.

POESIA NO NO PROJETO COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA

.

CUBATÃO - SP

.

Povo lindo, povo inteligente,

.

nesta quinta-feira fui participar de um bate-papo com o pessoal do projeto Comunicão Comunitária e Ateliê que realizam um excelente trabalho na comunidade Fabril, em Cubatão (baixada santista).

Um Papo sobre poesia, Cooperifa e periferia. Privilégio.

Queria agradecer ao Marcio Vidal e todos pela tarde maravilhosa nesta comunidade que tem um trabalho de luta e resistência por dias melhores na região que habita as encostas da serra do mar. Tamo junto!

A presença das pessoas que participam do projeto foi intensa e calorosa. Muitos precisam conhecer estes trabalhos da Com Com e Ateliê. Quero voltar em breve.

É isso. Vou onde a poesia me chama.

.

Abs.

.

Sergio Vaz


Novos amigos


Será que tava bom?


Celina


Poesia é vida



Privilégio de estar com pessoas maravilhosas



POESIA NO PROJETO ORIGENS

.
.
Povo lindo, povo inteligente,
.
nesta quarta-feira, depois do Sarau da Cooperifa, partimos num bonde poético diretamente para o projeto "Origens" coordenado Por Crônica Mendes e Nina Fidéles que acontece mensalmente no Vegas Club.
Na mesma noite dividiram o palco, Mano Brow, Lino Krizz, e Versão Popula, e o pequeno poeta aqui vos escreve. Sim, poesia na balada.
Pra quem não sabe, comecei há muito tempo atrás fazendo poesia em shows de rap, e não é atoa, nem coincidência minha ligação com o Hip Hop. Vem de longa data.
É isso. Poesia sem fronteiras.
.
Abs.
.
Sergio Vaz
vida-besta da poesia




Mano Brow


Poesia na balada


Crônica Mendes



Poesia sempre



Versão Popular fez um show espetacular



Loko!



DJ Zeca

É NÓIS NO "LE MOND DIPLOMATIQUE"

.
.

http://www.lemonde.fr/livres/article/2011/05/26/la-litterature-entre-dans-les-favelas_1527499_3260.html

http://www.lemonde.fr/journalelectronique/donnees/libre/20110527/index.html?aaaammjj=20110527&article_id=804725&clef=EMAIL
.
Bonjour les gens beaux, des gens intelligents, (povo lindo, povo inteligente)

o jornal Francês "Le Mond Diplomatique" fez uma matéria sobre a literatura da periferia e de como tudo isso, de uma forma ou de outra, revolucionou a periferia de São Paulo.
Entre outros autores que foram citados, como Ferréz, Alessandro Buzo, Sacolinha e Paulo Lins, cita de forma bacana o trabalho do Sarau da Cooperifa que este ano completa 10 anos de atividades poéticas na zona sul paulistana.
É isso. Não muda muita coisa, mas é bom quando falam bem da gente.

Est à nous (é tudo nosso!)

abs.

sergio vaz
la littérature chien
*vira-lata da literatura

quarta-feira, 25 de maio de 2011

A COOPERIFA PÕE FOGO NA PERIFERIA DE SÃO PAULO

.

.

POESIA ATÉ O OSSO!

.


Família Cooperifa

.

.

SARAU DA COOPERIFA

.

Hoje 20hs45

.

Bar do Zé batidão

Rua bartolomeu dos Santos, 797 Jd. Guarujá

Periferia - SP

.

.

BLACKITUDE PÕE FOGO EM SALVADOR-BA

.

clique no cartaz para ver a programação completa

.

.
hoje tem Sarau Bem.Black

.

no Sankofa-African-Bar / Pelourinho

.

19hs: bate-papo com o ESCRITOR e ativista CUTI
.

20h / POESIA - Muita POESIA
(quarta-feira - 25 de maio)
.

Dj J.O.E toca SAMBA-rock

Venha e traga seu poema...

A Vibração Poética da Blackitude é Positiva
.

*Cuti conversa sobre sua obra e ativismo e lança seu mais novo livro: Lima Barreto (Selo Negro)

**Para saber todas a informações sobre o livro, a agenda de Cuti na Bahia e ler uma entrevista exclusiva com o escitor, acesse o Blog Gramática da Ira www.gramaticadaira.blogspot.com
::::::
Veja também:

.
Marcelino Freire

Dia 27 de maio na UCSal-Lapa / 19h
.

XII Semana de Letras da UCSal

bate papo e performance IMPERDÍVEL!!
....................

Sarau Bem Legal + Exposição Grafite & Poesia
Poesias: Grupo Este Tal Recital

Grafites: Fael1, Finho, Lee27, Marcos Costa e Neuro
Dia 29 de maio às 11h

Biblioteca Infantil Monteiro Lobato / Nazar


terça-feira, 24 de maio de 2011

FELICIDADE - TEXTO INÉDITO

.



FELICIDADE - SERGIO VAZ


As coisas não nasceram para dar certo, somos nós é que fazemos as coisas acontecerem, ou não.


Acredito que a gente tem que ter um foco a seguir, traçar metas, viver por elas. Ou morrer tentando.


Jamais queimar etapas e saber reconhecer quando é a sua hora.

O Acaso é uma grande armadilha e destroi os sonhos fracos de pessoas que se acham fortes.


Não passar do tempo e nem chegar antes. Preparar o corpo, o espírito, estudar o tempo o espaço. Não ser escravo de nenhum dos dois.


Observar as coisas que interferem no seu dia e na sua noite. E saber entender que há aqueles sem sol e sem estrelas e que a vida não deve parar só por isso.


Ser gentil com as pessoas e consigo mesmo. E gentileza não tem nada a ver com fraqueza, pois, assim como um bom espadachim, é preciso ter elegância para ferir seus adversários.


O que adianta uma boca grande e um coração pequeno? Nunca diga que faz, se não o faz.

Ame o teu ofício como uma religião, respeite suas convicções e as pratique de verdade, mesmo quando não tiver ninguém olhando. Milagres acontecem quando a gente vai à luta.


Pratique esportes como arremesso de olhar, beijo na boca, poema no ouvido dos outros, andar de mãos dadas com a pessoa amada, respirar o espaço alheio, abraçar sonhos impossíveis e elogios à distância. E, em hipótese alguma, tente chegar em primeiro. Chegar junto é melhor, até porque, o universo não distribui medalhas nem troféus.


Respeite as crianças, todas, inclusive aquela esquecida na sua memória. Sem crianças não há razão nenhuma para se acreditar num mundo melhor.


As crianças não são o futuro, elas são o presente, e se ainda não aprendemos com isso, somos nós, os adultos, é que tiramos zero na escola.


Ser feliz não quer dizer que não devemos estar revoltados com as coisas injustas que estão ao nosso redor, muito pelo contrário, ter uma causa verdadeira é uma alegria que poucos podem ter.

Por isso, sorrir enquanto luta, é uma forma de confundir os inimigos. Principalmente os que habitam nossos corações. E jamais se sujeite a ser carcereiro do sorriso alheio.Não deixe que outras pessoas digam o que você deve ter, ou usar. Ter coisas é tão importante como não tê-las, mas é você quem deve decidir. Ter cartão de crédito é bom, porém, ter crédito nele tem um preço.

Se possível, aprecie as coisas simples da vida, vai que no futuro... Adeus pertences.

Esteja sempre disposto ao aprendizado, e não se esqueça que, quem já sabe tudo é porque não aprendeu nada.As ruas são excelentes professoras de filosofia, pratique andar sobre elas.


Procure desvendar as máscaras do dia a dia, pois o segredo está no minúsculo - assim como um belo espetáculo do crepúsculo-, no pequeno gesto das formiguinhas esconde a grandeza a ser seguida pela humanidade.


Tenha amigos. Se não tem, seja. Eles virão.

Felicidade não se ensina, é uma magia, e o segredo está na disciplina de uma vida sem truques e sem fogos de artifícios.


E não acreditem em poetas. São pessoas tristes que vendem alegria




segunda-feira, 23 de maio de 2011

NOVOS DIAS

.
.
.

"A Felicidade tem amnésia,

é preciso lembrá-la todo dia que você existe."

.

Sergio Vaz

.

.

.

.

"A FARMÁCIA É A BIQUEIRA DO GOVERNO"

.

Sergio Vaz

.

.

DE PERNAS PRO AR - Eduardo Galeano

.

.

OS ALUNOS - Eduardo Galeano

.

Dia após dia nega-se às crianças o direito de ser crianças.

Os fatos, que zombam desse direito, ostentam seus ensinamentos na vida cotidiana. O mundo trata os meninos ricos como se fossem dinheiro, para que se acostumem a atuar como o dinheiro.

O mundo trata os meninos pobres como se fossem lixo, para que se transformem em lixo.

E os do meio, os que não são ricos nem pobres, conserva-os atados à mesa do televisor, para que aceitem desde cedo, como destino, a vida prisioneira.

Muita magia e muita sorte têm as crianças que conseguem ser crianças.

.

.

domingo, 22 de maio de 2011

PROJETO ORIGENS

.

.

A POESIA NÃO PODE PARAR

.


clique no cartaz para ver programação

.

.



sexta-feira, 20 de maio de 2011

NOTÍCIAS POPULARES

.

Povo lindo, povo inteligente,

.

acabei de ler o livro "Nada mais que a verdade" que conta a história do jornal "Notícias populares", um periódico que marcou época na periferia de São Paulo.

O Famoso "Espreme que sai sangue" povoou nossas mentes durantes anos, e que é dos anos 70/80/90 vai gostar de ler este livro. Vai matar saudades de um tempo muito difícil nas quebradas, e muito engraçado também. Porque o jornal não tinha compromisso nenhum com a verdade, muito pelo contrário, histórias com a Loira do banheiro, o bebê-diabo e o sequestro do Roberto Carlos eram matérias comuns nas suas primeiras páginas.

O Racionais Mc´s fez até uma menção do jornal na música O homem na estrada: "... superstar do Notícias populares."

O Jornal de bobo também não tinha nada, foi pensado especialmente para alienar o povo. A gente ria da própria desgraça.

Vale pela história. Para matar saudades.

.

Taí a dica.

.

Sergio Vaz









Ao contrário da burocrática Folha de S.Paulo e do insípido Agora São Paulo, o Grupo Folha da Manhã possuiu um dos jornais mais interessantes do Brasil: o Notícias Populares. Porém, a empresa sempre tentou esconder a ligação e finalmente acabou com o diário. Mas a história deste revolucionário jornal volta a tona.
Celso de Campos Jr, Denis Moreira, Giancarlo Lepiani e Maik Rene Lima estão lançando “Nada Mais que a Verdade”, um livro sobre a história do saudoso NP. O jornal, famoso por suas escabrosas histórias de tragédias urbanas, do sangue escorrendo pelas páginas. E principalmente das manchetes como esta: “Broxa torra o pênis na tomada”, “Churrasco de vagina no rodízio do sexo”, “Dono do gato vira tamborim”, “Espírito de porco baixa em macumba”. Uma extraordinária história que começou em 1963.
Após perder dez anos de sua vida confinado em uma mina de carvão da Sibéria por ordens de Stalin, Joseph Mellé desembarcou no Brasil em 1959, sem falar praticamente nenhuma palavra de português. Mesmo assim, por intermédio de um amigo romeno que estava no Brasil, conseguiu um emprego no Última Hora de Samuel Wainer. Menos de quatro anos depois, em associação com Herbert Levy (presidente da UDN e dono da Gazeta Mercantil), lança o Notícias Populares, com uma finalidade marcadamente política: o NP seria um vespertino anticomunista. Essa postura duraria até 1965, quando o golpe alivia a barra da UDN; Levy, então, vende o jornal para a dupla Octávio Frias de Oliveira e Carlos Caldeira Filho, da empresa Folha da Manhã. Mellé permanece como editor.
Em maio de 1975, o Notícias Populares publica a história do bebê-diabo, que viraria um marco no jornalismo brasileiro. Era uma cascata sobre o nascimento de um menino com chifres e rabo em São Bernardo do Campo; entretanto, o povo acreditou na história e o NP começou a inventar uma saga para o bebê-diabo. O caso permaneceu na primeira página do jornal por inacreditáveis 27 dias, nos quais pessoas ligavam para a redação jurando que viam o bebê-diabo e informando seu paradeiro. Após quase um mês de sucesso comercial e fracasso moral, a redação decidiu assassinar o assunto. O caso mostrou a confiança que o público tinha no NP. Mas a maior prova da força do jornal veio alguns dias depois: a redação recebeu o exemplar de um periódico pernambucano, que anunciava a chegada do bebê-diabo em Recife.
Repleto de curiosidades, o livro conta todos os bastidores da saga de 37 anos do jornal, culminando com as nebulosas razões e desculpas do grupo Folha para o fechamento repentino do diário. História esta que contou com o jornalista Marcelo Coelho escrevendo como o colunista Voltaire de Souza. Mais. Que mexeu com o jornalismo brasileiro para todo o sempre.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

BARBIE

.
Barbie
.
Patrícia nasceu
Num desses casebres
Que se equilibram em barrancos.
Família pequena
Só a mãe, dona Odete
E o pai, seu Antônio.
O sonho de pati
Era ter uma boneca,
Mas não uma qualquer
Na verdade uma Barbie.
Sempre quis uma filhaPara brincar de casinha.
Mas a boneca
Que na tv ela via
Não fazia parte da sua família.
.
Mamãe,
Com varizes e estrias,
Andava o dia inteiro
Com saco de lixeiro
À procura de latinha.
.
Papai,
Para ajudar na comidinha,
Catava papel
E não tinha dinheiro
Para comprar a bonequinha.
.
Noel,
O da barba branquinha,
Voava o mundo inteiro,
Mas não lhe fazia uma visitinha.
.
Aos treze
Romperam-lhe o hímen
Não de mentirinha,
Mas de forma bruta
Sem fazer cosquinha.
Agoratem uma linda menininha
Com quem pode morar
E brincar de casinha.
.
Sérgio Vaz
.
.

MINHA LUTA CONTRA O VÍCIO DE FUMAR

.
.



NOVOS DIAS



.

Povo lindo, povo inteligente,
.
comecei uma luta contra o cigarro (não contra quem fuma) e hoje faz 4 dias que não fumo. Parece pouco, mas quem tem esse vício sabe que parece uma eternidade.
Vai vendo a ironia do destino, outro dia uma pessoa me disse que a poesia "Novos dias", que está no youtube, fez ele tomar várias atitudes que há muito ele vinha adiando, e que justamente o meu poema tinha impulsionado ele a ir em frente por novos dias. Se um poema pode ajudar alguém, pode me ajudar também.
Achava que poeta não tinha pulmão, só coração. Ledo engano.
Como há muito já tenho a vontade de parar de fumar, pensei: agora é a hora.
Não é uma campanha antitabagista, é uma coisa pessoal. Nada a ver, enfiar o dedo na cara das pessoas que fumam, cada um, cada um. Bagulho meu. Não é uma cruzada. Pois só eu sei que horas são no meu relógio.

Só tornei público para que as poucas pessoas que gostam de mim possam me ajudar. Nada mais.


É isso. Meus inimigos moram dentro de mim. Vou vencer todos.
.
* a neurose é tanta, que hoje pela manhã quase dei uns pegas no pãozinho.
.
Beijos.
.
Sergio Vaz

SARAU DA COOPERIFA AQUECE O FRIO DE SÃO PAULO

.

.

A POESIA FERVE NA PERIFERIA DE SÃO PAULO

.

Povo lindo, povo inteligente,

.

nem a temperatura glacial na cidade de São Paulo é capaz de parar a poesia na periferia paulistana, que pulsa efervescente no no coração das quebradas.

O Sarau da Cooperifa de ontem parecia um incêndio, todo mundo pegando fogo! Queima! Queima!

A Literatura pegou de uma tal forma, que ninguém quer saber de mais nada, ninguém respeita qualquer tipo de obstáculos. Fodeu.

É isso. Reclamar como sempre, agir como nunca.

.

Sergio Vaz

Tiozinho da poesia