domingo, 9 de janeiro de 2011

Poesia inédita

.
.
O Psicólogo das coisas
.
.
Na grandeza domundo cheio de miudezas
mais importantes que a poesia,
o poeta nada mais é,
que um mero psicólogo das coisas que compoem a alma do cotidiano.
Quem mais há de entender o vazio do vento
ou o pensamento em depressão,
se não um doutor das pequenezas inúteis
que enfurecem o coração?
E como Poeta não é profissão,
nem poesia oferece diploma,
muitas vezes o remédio receitado, o poema,
não oferece alívio imediato
nem cura pra solidão.
Consulte-o regularmente
com ou sem problema,
mas leia a bula no ato
antes de tomar a sua injeção.
.
.
Sergio Vaz
.
.

13 comentários:

  1. Perfeito!
    " um mero pisicólogo das coisas que compoem a alma do cotidiano." Parabéns

    ResponderExcluir
  2. Boa Sérgio!
    Ser poeta é no mundo da presa ter tempo para as pequenas grandes coisas, é ser maluco, é privilégio ao mesmo tempo que é castigo.

    ResponderExcluir
  3. queria que comentasse na próxima edição da revista sobre o que vem acontecendo nas reservas indígenas perto da cidade de boa vista onde o acesso é negado aos brasileiros e permitido a qualquer americano,europeu ou japonês
    mais informação acesse o blog http://www.militar.com.br/blog11763-/

    ResponderExcluir
  4. Bom acompanhar seu trabalho!

    Muito bom!

    ResponderExcluir
  5. As coisas que compoem a alma do cotidiano, devem estar, por certo, fundadas ou fundamentadas, nas pedras, no barro e no vento que vai e vem e traz outros lugares, que não os prontos, pra deitarmos nossa poesia, ainda que à tarde e seja tardia, mas que falha, porque há sempre um poeta a espreita...

    ResponderExcluir
  6. Maravilha Sergio!!!

    NAO SÓ ESSA POESIA É INÉDITA....

    VOCE CONSEGUE SER INÉDITO TODOS OS DIAS!!!

    abraço.

    Lú Magalhaes.

    ResponderExcluir
  7. Mais uma vez surpreendente!
    Psicólogo de corações e não de mentes, você sabe ler muito bem, não apenas os textos, mas as pessoas!
    Abraços Cooperiféricos
    Ricarda

    ResponderExcluir
  8. Se poeta fosse profissão e poesia oferecesse diploma, a Cooperifa seria uma das instituições de ensino mais respeitadas desse país e você poeta, teria com certeza o diploma de Doutorado com ênfase em periferia pendurado na parede do Zé Batidão...

    ResponderExcluir
  9. Olá, Sérgio! Sou professora de Língua Portuguesa e estou explorando o teu espaço de resistência; vc tem razão quanto aos poetas; lembro que Freud dizia que os artistas chegaram primeiro; é isso aí! Parabéns! Forte abraço.

    ResponderExcluir
  10. Rose Dorea - COOPERIFA14 de janeiro de 2011 19:14

    Que pena, ser poeta não da diploma?
    Se desse eu adoraria ser sua aluna
    Pq da vida eu já sou.
    Lindo Poeta

    ResponderExcluir